quarta-feira, 23 de julho de 2014

O "Salmone & Orzo Pasta" do Outback

Ontem foi dia de conhecer a novidade "Salmone & Orzo Pasta" do Outback e já adianto que vale muito a pena. O almoço aconteceu na unidade do Shopping Iguatemi e foi organizado pela Santa Clara Comunicação (obrigado Mônica e Marcelo pelo convite!). A criação consiste na perfeita junção entre uma generosa posta de salmão grelhado coberto com manteiga de limão (que deu um toque todo especial) e um risoni com molho cremoso (preparado com creme de leite, queijo Grana Padano, alcaparras fritas e tomate cereja). Combinação de texturas e sabores. O "orzo" ("arroz italiano", "risoni" ou "kritharaki") é uma massa tipicamente italiana que ter a forma do grão de arroz. Massa levíssima que agrega facilmente o sabor de molhos mais leves. Fiquei surpreso com a textura. Fica a dica para quem quer pedir algo mais leve...
Claro que começamos o almoço com o Aussie Bread e algumas entradas. As escolhas dessa vez foram a Blooming Onion (entrada clássica da rede - cebola empanada com molho picante Bloom) e o Gold Coast Coconut Shrimp (camarões empanados com coco e temperos exclusivos do Outback servidos com molho Marmelade, de sabor adocicado feito com laranja). Para beber, escolhi um Cranberry Iced Tea (chá gelado de cranberry).
Mas se você é carnívoro e não dispensa um bom pedaço de carne, sugiro pedir o The Porterhouse, um suculento T-Bone Steak (de aproximadamente 500 gr) muito bem temperado e preparado na chapa. O da foto abaixo eu comi no final de semana, acompanhado de um Garlic Mashed Potato (purê de batata com alho). No almoço de lançamento do "Salmone & Orzo Pasta" optei por não comer sobremesa, mas não poderia deixar terminar o post sem indicar uma sobremesa irresistível da casa, o Chocolate Thunder from Down Under (montagem de brownie com sorvete de creme, coberto com calda de chocolate, chantilly e raspas de chocolate). Enfim, é uma rede que sempre tem algo para agradar todo tipo de paladar.   

domingo, 20 de julho de 2014

Mexilhões ao Creme de Vinho Branco

Quer fazer uma entrada que é ao mesmo tempo fácil e parece sofisticada? Então anota aí os ingredientes e o modo de preparo de Mexilhões ao Creme de Vinho Branco. É uma adaptação minha (considero mais saborosa) dos famosos Moules à La Crème. Comecei espremendo o sumo de 1 limão siciliano em 500 gramas de mexilhões (sem casca) e reservando a mistura. Além de dar um gosto bom, penso que ajuda a tirar um possível sabor de maresia do marisco. Em uma panela grande, coloquei duas colheres de sopa de manteiga (usar uma de boa qualidade e sem sal) para dourar 12 dentes de alho cortado em lâminas. Depois acrescentei 3 cebolas roxas médias cortadas em tiras e 1 cenoura pequena ralada. Alho em pó e estragão foram adicionados em seguida. Quando a mistura der uma reduzida considerável, acrescentei os mexilhões, pimenta do reino moída na hora (caprichei) e mexi um pouco com cuidado (eles são bem frágeis). Acrescentei 350 ml de vinho branco na panela e fechei. Deixar cozinhar por alguns minutos.      
Enquanto os mexilhões estão cozinhando, usei outra panela para fazer o creme que é incorporado ao final. Ingredientes necessários: um pouco de vinho branco, um pote de Creme de Queijo Minas Frescal, uma embalagem de Queijo Processado Président, um pacotinho de Queijo Parmesão Light Faixa Azul, um maço de Ciboulette e um pouco de Flor de Sal com Ervas Finas. Aí não tem segredo, em fogo baixo é só misturar todos os ingredientes, optando por adicionar a ciboulette por último. Quando a mistura estiver uniforme é só desligar o fogo e acrescentar à panela com os mexilhões. Voilà. Com sabor marcante e diferenciado, o creme é ótimo para ser apreciado com um pão de boa qualidade. Garanto que vai fazer sucesso!  

quinta-feira, 17 de julho de 2014

Almoço no Granulado Café e Bistrô

A doceria Granulado Café e Bistrô, presente no mercado soteropolitano há mais de uma década, lançou esta semana o seu novo cardápio de inverno, com delícias exclusivas para o almoço. Recebi o convite, através da assessoria (valeu Estevão!) para conhecer a casa, que recentemente deu um upgrade no seu conceito, cardápio, apresentação e sabor dos pratos. O cardápio foi montado pela Chef Nalva Oliveira (da Taverna Paradiso - Praia do Forte), que buscou inspiração na culinária mediterrânea para a temporada. Comecei experimentando o Couvert de Antepasto, composto por uma variedade de pães (fabricação própria - muito bom!), queijos e patês de salmão e sardela. Depois, fui de Bruschetta de Brie e Parma e da Tradicional. Para beber, um Clericot de Frutas Vermelhas, preparado pelo Bartender Thiago Aguiar.
A escolha do prato principal foi unânime entre os jornalistas/blogueiros presentes no evento: Badejo à Belle Meunière. O peixe estava grelhado no ponto e é servido com camarões, cogumelos Paris e risoto de Limão Siciliano. Combinação ótima que resultou num prato bem saboroso. Para harmonizar, o bartender preparou um Granulado Winter, drink apimentado e cremoso feito com Amarula, Pimenta e Morangos. Mas quem não quiser um peixe, pode optar pelo Arroz de Camarão com Molho de Gorgonzola ou ainda o Paillard de Filet Mignon com Fettuccine, que também são novidades do cardápio de inverno.
Para finalizar, claro que tive que provar de uma das tortas doces (servidas em taças), afinal o almoço foi uma doceria. A escolha foi de Chocolate com Nozes. Gostei bastante pois não achei muito doce. A noz quebra um pouco do açúcar do chocolate, trazendo um equilíbrio à sobremesa. Para finalizar, um Espresso bem tirado. O que achei? Ambiente legal, bom atendimento, custo-benefício compensatório e pratos saborosos. E de quebra, caso não exista um espaço na barriga, você ainda pode levar a sobremesa para comer mais tarde... foi bom do couvert ao café!

terça-feira, 15 de julho de 2014

Burgertopia no D.O.C

O dia mundial do Hambúrguer é comemorado em 28/05, mas a festança gastronômica só aconteceu aqui em Salvador no último domingo (13/07), com evento do Burgertopia no DOC Casual Dinning (do chef Caco Marinho). O projeto, criado pelos chefs Allan Salles, Ielda Amaral, Jimmy McManis, Camila Crichigno e Rafael Stavale, foi muito bem recebido e elogiado pelo público baiano. A ideia de brincar com ingredientes (alguns locais) resultou na criação dos seguintes sabores: COZ2 Burger (hambúrguer defumado com maionese de alho, ovo trufado, queijo maturado e torresmo - delicioso), Black Trunk Burger (tradicional do DOC, com pão preto, burger, cheddar, teriyaki e cebola empanada - sou fã!), Typical Burger (hambúrguer de picanha coberto com queijo coalho, geleia de pimenta malagueta e picles de maxixe - bem saboroso e com vários ingredientes nordestinos), Chilli Burger (hambúrguer de fraldinha, queijo mozzarella derretida, molho chilli e sour cream - foi o que menos gostei, não achei que combinou o chilli com hambúrguer, prefiro o chilli em hot dog!) e o Menage (combinação surpresa dos ingredientes anteriores, escolhidos a dedo pelos chefs - ótimas e inovadoras criações).
Para beber, claro que fui do tradicional e geladíssimo chopp do DOC. Do festival de Burger, o sabor que mais curti foi o COZ2 Burger, seguido do Typical Burger. Como já sou fã do Black Trunk e quase sempre é minha escolha ao ir na casa, optei por deixar ele de lado (temporariamente, é claro!) no dia do evento. Para apimentar, ainda experimentei uma seleção de pimentas Mr. Bhut. Como a mesa estava cheia, teve gente que além de comer um sanduba ainda pediu um Salsichão Alemão (comemorando a vitória da Alemanha na Copa do Mundo) e o Seafood for Two (prato de frutos do mar e legumes grelhados). Foi um evento bem organizado e saboroso. Já estou no aguardo da próxima edição com quem sabe um burger de atum, guacamole e cebola caramelizada... 

segunda-feira, 14 de julho de 2014

Salvador: Bargaço

O Restaurante Bargaço (inaugurado em 1971) é um dos marcos da comida baiana e de frutos do mar no Brasil. Com várias filiais espalhadas pelo país, tem no seu cardápio um ótimo referencial de qualidade gastronômica. Como frequentador desde criança, considero um dos poucos restaurantes "típicos e antigos" daqui de Salvador que ainda tem sabor e eu faço questão de ir ocasionalmente. Na última visita, fui de Casquinha de Siri e Casquinha de Polvo, itens delicioso e consagrados da casa. Para prato principal, minha escolha foi uma saborosa Moqueca de Camarão, acompanhada de Farofa de Dendê, Pirão, Caruru e Vatapá. Se me perguntassem um lugar legal de comida típica baiana (e não brasileira) aqui em Salvador, indicaria o Bargaço com segurança.
Sobre o Bargaço - Seu fundador foi o pernambucano Limoeiro Leonel Evaristo da Rocha, que trabalhou como camelô, balconista e garçom até que passou a comandar um restaurante. Diante do sucesso do restaurante, Leonel juntou uma grana e comprou um terreno de 720 metros quadrados na Praia de Armação, onde construiu uma casa simples com uma grande varanda, local onde mais tarde começaria a funcionar o restaurante (com apenas 5 mesas). O nome Bargaço surgiu do erro de um pintor analfabeto que escreveu na placa de identificação "Bargaçõ" em vez de "Bargaçon". Com a falta de dinheiro para refazer a placa, Leonel optou por tirar o til. Sorte grande, pois o nome pegou e é sucesso até hoje.   

quarta-feira, 9 de julho de 2014

Pad Thai de Camarão

Finalmente consegui fazer um Pad Thai de Camarão digno de restaurante tailandês. O sabor das primeiras tentativas estava bom, mas faltava algo. A massa de arroz eu comprei no Sam´s Club e o molho de amendoim e alguns temperos asiáticos eu trouxe dos Estados Unidos. Para o molho, usei duas polpas de tamarindo, açúcar mascavo, molho de amendoim, pimenta calabresa, caldo de camarão em pó, alho em pó, suco de limões, mix de pimentas asiáticas e glutamato monossódico. Não sei dizer a quantidade certa, foi na base da prova mesmo. Ainda acrescentei amendoim e gergelim preto.   
Com o molho pronto, fui preparar o camarão. Depois de temperado com alho e sal, grelhei os camarões numa panela wok. Aproveitei a mesma panela (inclusive "suja), para fazer o nirá (refogando com óleo de gergelim) e os ovos mexidos. Feito isso, misturei o molho com os camarões, o nirá e o ovos e acrescentei a massa de arroz, misturando até que tivesse o cozimento ideal (indicado na embalagem). Na hora de servir, um pouco de limão espremido, coentro e um pouco de Ajinomoto. Só de lembrar o gosto, dá vontade de repetir a receita logo logo...