terça-feira, 12 de julho de 2016

Restaurante Amado: Cadu Moura

A publicação de hoje é uma homenagem ao trabalho de Cadu Moura, que está aprimorando suas técnicas lá no D.O.M (SP), de Alex Atala, fato que motivou o seu desligamento da cozinha do Amado. Antes da saída, tive o prazer de participar de um almoço com menu degustação inspirado na sua evolução e trajetória junto ao Restaurante Amado. Fui logo recepcionado com uma tábua de Crispy de Camarão, Manga e Sagu e um Aperol Spritz, preparado pelo barman Beto Santana. Em seguida, foi a vez dos excelentes Chips de Batata com Malassado Trufado, Gel de Rúcula e Mousse de Queijo Meia-Cura. Seguindo o menu personalizado, foi servida uma Salada de Camarão, Melão, Mousse de Gorgonzola e Chutney de Manga, bastante saborosa.    
Depois foi a vez da Brandade de Bacalhau com Polvo Grelhado e Batata-doce Crocante. Esse prato foi apresentado pela primeira vez no dia do teste de Cadu Moura para ingressar ao timo do Restaurante Amado. Após um certo tempo, o prato ficou ainda melhor, com mais técnica, textura e sabor. Enquanto conversava, vi que o garçom serviu um prato com uma manta negra de massa, de apresentação bem interessante. Apelidado de Manta Negra de Frutos do Mar à Provençal, o prato ainda levava Discos de Bisque e Alioli de Pimenta Doce. Estava sensacional, uma prova do amadurecimento do jovem chef. Para harmonizar, Lírica Brut da Hermann.     
Prosseguindo com a degustação, provei (e aprovei) o excelente Badejo com Coulis de Cebola Roxa e Falso Coalho de Mandioquinha, Farofa de Manjericão e Molho de Cajá. Depois, foi a vez do Filé Mignon com Purê de Abóbora, Farofa Amanteigada de Castanhas, Cebolas Grelhadas e Espirais de Aipim. Mais uma vez, um prato com identidade e sabor, que poderia ser facilmente incluído ao menu fixo do Amado. Para finalizar, a sobremesa criada por Cadu foi "Abacaxi, Coco e Maracujá", composta por abacaxi caramelizado, sorvete de coco e mousse de chocolate branco com maracujá. Para arrematar, uma farofa de castanhas. 
Foi um almoço memorável! Tenho certeza que a temporada em São Paulo trará ainda mais benefícios para a carreira desse cozinheiro promissor, que voltará em breve para auxiliar o chef Fabrício Lemos no Restaurante Origem (anotem esse nome!), prestes a ser inaugurado.

segunda-feira, 13 de junho de 2016

Paella de Mariscos

Paella tem sido um dos pratos que mais gosto de preparar ultimamente, tanto pela versatilidade, quanto pelo sabor. Vira e mexe acabo pegando dicas de como incrementar o prato, como por exemplo, melhorando o caldo de peixe e camarão ou até mesmo finalizando a paella no forno para dar aquela queimadinha saborosa do fundo do tacho. Na penúltima vez que preparei, fiz um almoço com entrada de Pan con Setas (Pão com Cogumelos), a Paella de Mariscos com Chorizo de prato principal e para sobremesa os legítimos Torrons Artesanais Vicens, que são deliciosos. A harmonização ficou por conta de uma Cava Odisea Naveran 2011 e por um Albariño Condes de Albarei 2010. E o arroz foi especial também, um Bomba Selección Especial Sol de Calasparra. Confiram um pouco do passo-a-passo pelas fotos abaixo... 

quinta-feira, 9 de junho de 2016

Pasta em Casa: sempre muito bom!

É sempre um grande prazer voltar ao Pasta em Casa (no Rio Vermelho), tanto pela casa, donos, funcionários quanto pela comida (o principal, né?). É o tipo de lugar que gosto, sem ser muito grande, com cardápio enxuto e boas opções. Fora isso, o preço é justo. Nas últimas visitas, tenho sempre pedido a Linguiça Artesanal, que vem acompanhada de limão siciliano e pão caseiro. No entanto, a Burrata, o Crocante de Frutos do Mar e o Pão de Calabrtambém são excelentes opções. 
Para prato principal no jantar, a bola da vez é o Linguini com Frutos do Mar. Muito bom! Se quiser algo mais tradicional, recomendo o saboroso (e cremoso) Fettuccine Alfredo. O Polpette de Cordeiro e Brie com Gnocchi de Banana também é uma opção segura do cardápio do jantar. Se a visita acontecer durante o almoço, não deixe de experimentar a ilha de massas (todo dia tem 3 opções). Vai uma dica: no primeiro prato, peça uma porção reduzida das três massas e repita a que mais gostou (ou todas elas) depois. Ótimo custo-benefício. Na última vez, tinha Lasagna Bolognesa, Spaghetti ao Funghi e Ravióli de Mozzarella ao Pomodoro. Para harmonizar, escolha um vinho. 
Não deixe de ir embora sem provar uma das sobremesas da casa. O Pudim de Cream Cheese e a Torta de Limão Siciliano (bem cítrica) são excelentes opções para finalizar seu almoço ou jantar. Na saída, passe na lojinha no andar térreo, pois é bem capaz de você ainda querer levar algum "souvenir" para casa...

Falafel: frito e assado.

Falafel é um salgadinho originário do Oriente médio. Consiste em bolinhos fritos de grão-de-bico ou fava moídos, normalmente misturados com azeite de oliva e condimentos como alho, limão, cebolinha, salsa, coentro e cominho. Existem versões assadas, como na foto acima. O sabor da massa varia de acordo com o gosto pessoal, logo não posso determinar medidas exatas dos ingredientes. Deixe de molho por 8 horas o grão-de-bico e depois processe com os demais ingredientes. No dia em que tirei as fotos, acrescentei hortelã e cebolinha no lugar da salsa (não sou muito fã). Regulei o sal e a pimenta e fiz as duas versões. Para os bolinhos fritos, acrescentei um pouco de farinha de trigo na massa, para dar liga. É bom congelar um pouco antes de fritar para deixar mais rígido. No caso do falafel de forno, o próprio refratário mantem o formato, por isso não é necessária a farinha. Ambos podem ser servidos com mais limão espremido na hora e coalhada seca ou creme de ricota. Muito saboroso!

terça-feira, 7 de junho de 2016

La Pasta Gialla: Festival de Polpettones

A rede de restaurantes La Pasta Gialla, com unidade na Pituba aqui em Salvador, comemora 15 anos com um festival de clássicos. Durante o ano, o chef Sergio Arno trará sucessos da casa em programações cheias de sabor. Nos meses de maio e junho, por exemplo, o homenageado está sendo o Polpettone. Seis versões do tradicional prato italiano estão disponíveis no cardápio soteropolitano, com diferentes acompanhamentos. São eles: Polpettone clássico (queijo), Polpettone com Mussarela de Búfala e Pomodoro Basílico, Polpettone de Brie com Amêndoas, Polpettone recheado com cogumelo e molho de gorgonzola, Polpettone de Salmão com recheio de Cream Cheese e, por fim, o de Frango com Quatro Queijos. Como acompanhamentos, o cliente tem a opção de Mix de folhas, Risoto milanese, Gnocchi ao molho branco/pomodoro ou Tagliolini na manteiga e sálvia. 
Fui para um evento para experimentar pelo menos 4 opções, mas como o prato é bem servido, parei no segundo prato. Achei tanto o Polpettone de Brie quanto o de Salmão ótimos, com muito sabor e acompanhamentos coerentes (escolhi pro primeiro o tagliolini e a salada pro segundo). Quero voltar para experimentar o de Cogumelos na próxima semana, pois também deve ser uma deliciosa opção! Merece uma visita. 

segunda-feira, 6 de junho de 2016

Chupito Bar, novidade no Rio Vermelho.

As "chupiterias" estouraram na Espanha em 2012, mas o primeiro bar da categoria acaba de aterrissar em Salvador. Para quem não sabe, "chupito" é um shot de bebida alcoólica com outros licores ou aditivos, sempre com bom custo-benefício (na Europa, custam em média 1 euro). No Chupito Barcolado com o La Taperia no Rio Vermelho, cada drink custa R$4,00 (fraco), R$6,00 (médio) ou R$8,00 (forte). O menu, atualmente com 16 opções, fica exposto na parede do local e basta você comprar suas fichas no caixa e ir direto pro balcão pedir o que deseja. O local é bem informal e tem poucas mesas/cadeiras. Gostei muito do Aperol+Espumante+Laranja e do Acerola+Gengibre+Whisky. Para complementar, a casa ainda oferece opções de "pinchos" (snack/ finger food) por R$4,00 (cada). O de Polvo+Alioli+Kiwi, Gorgonzola+Pêra+Nozes e Chorizo+OvodeCodorna+PápricaDefumada são excelentes. No final de semana, ainda teve um DJ animando a galera que passava por lá na madrugada. Foi um programa diferente e astral. Com certeza vai virar mais um point durante as noites de Salvador, reunindo todo tipo de galera.