terça-feira, 30 de setembro de 2014

Grey Goose: Vive La Révolution Experience

A qualidade da Grey Goose é indiscutível. Ponto. A marca francesa, criada em 1997 por Sidney Frank, virou uma das queridinhas da atualidade, ocupando lugar de destaque no mercado super premium de vodkas. É, inclusive, ganhadora da medalha de platina no World Spirit Championship, prêmio mais alto da categoria no mundo. A garrafa, ícone representativo da marca, tem design premiado e um interessante apelo visual. Com presença global em mais de 100 países, o produto do grupo Barcardi conta com uma série de ações de marketing sofisticadas. Por isso, ao receber o convite do evento "Grey Goose 2014: Vive La Révolution" (maior campeonato de coquetelaria do país), comandado por Tony Harion (mixologista e embaixador da marca no Brasil), a ansiedade foi grande. 
O evento foi sediado no Granulado Gourmet, que tem na equipe Thiago Aguiar e Maria Bento, dois experts em drinks daqui de Salvador. A noite reservou ótimos preparos de bebidas, como o Le Fizz (balanceado e emprega o uso da flor de sabugueiro e limão para dar um ar cítrico e refrescante), o Cosmopolitan (feito com Grey Goose L'Orange), a Caipiroska de Morango com Tangerina (deliciosa combinação), o The Cosmonaut (Grey Goose La Poire com Limão e um pouco de Licor de Gengibre) e a Caipiroska de Limão. Por incrível que pareça, um dos melhores foi a tradicional Caipiroska de Limão, item que não recordo ter pedido em bares/restaurantes nos últimos anos, por achar muito banal. É nessas horas que você percebe como um bom produto faz toda a diferença. E que diferença. Como consumidor da marca há anos, posso atestar que desce redondo. Não é à toa que o slogan da marca é "World's Best Tasting Vodka". A Grey Goose Cherry Noir (cerejas negras) é fantástica!  
Claro que o objetivo do evento foi divulgar a marca Grey Goose®, mas não posso deixar passar em branco o menu preparado especialmente para a noite. Para prato principal, a Granulado reservou opções de Risoto de Frutos do Mar (apresentação impecável e com sabor suave) e Filet au Poivre (deliciosa carne servida com batatas gratinadas e arroz com brócolis). Para finalizar, uma Torta Alpino na taça, item já consagrado da Granulado. Evento bem interessante, de muito aprendizado e exclusividade. 

quarta-feira, 24 de setembro de 2014

Valduga Gallery Wines no Yatch

A Casa Valduga dedica especial atenção à elaboração dos espumantes e é uma das primeiras vinícolas brasileiras a dominar e desenvolver o método champenoise de vinificação. Hoje possui a maior adega de espumantes da América Latina e investe em produtos com padrão de excelência já reconhecidos internacionalmente. Tem presença em mais de 20 países e está no top 10 das vinícolas brasileiras. A Valduga também é a responsável por construir o primeiro Complexo Enoturístico do Brasil, sendo uma das maiores atrações do Vale dos Vinhedos (Bento Gonçalves/RS). Buscando expandir ainda mais seu mercado no Nordeste, realizou, semana passada, em parceria com sua importadora Domno Brasil, o Valduga Gallery Wines, com almoço de degustação no restaurante Veleiro do Yatch Club da Bahia.
O almoço para convidados (obrigado Santa Clara Comunicação) contou com a presença de João Valduga, sócio-proprietário das empresas do grupo Famiglia Valduga — Casa Valduga, Casa Madeira, e Domno, que deu as boas vindas com o espumante 130, produzido pela marca há 10 anos. Em seguida, a harmonização dos pratos foi dada com os excelentes Leopoldina Chardonnay Gran D.O. e o Raízes Gran Corte, ótimos representantes da marca. O evento ainda contou com a presença do vinicultor argentino Francisco Orlando, representando as Bodegas Argento e Vistalba — esta última, produtora do vinho Corte B, um dos ícones da vinícola, degustado no almoço. Também foi servido o vinho português Thasos Moscatel de Setúbal, apresentado por Miguel Ramos, gerente de exportação da vinícola portuguesa Enoport. Os produtores vieram especialmente de seus países para o evento, a convite da Domno.
O menu, por sua vez, contou primeiramente com uma Salada Tropical de Camarão (bem leve e saborosa). O primeiro prato foi um Linguado ao "Limoni" com Risotto (molho muito gostoso com pouca acidez e gosto acentuado de limão siciliano), seguido do Penne ao Pomodoro com Muçarela de Búfala e finalizado pelos Medalhões ao Molho de Cogumelos Frescos e Risotto de Aspargos (gostei muito do molho). A sobremesa escolhida para o evento foi a Torta Búlgara, que de búlgara só tem o nome, já que é um tipo de torta só encontrado aqui em Salvador (ninguém de fora conhece! rsrs).  

O Valduga Gallery Wines continuou ao longo da tarde com a degustação de vinhos para restaurateurs e distribuidores dos produtos Famiglia Valduga em Salvador, reunindo mais de 200 pessoas. Para tanto, foram oferecidos mais de 70 tipos de rótulos de vinhos da própria Casa Valduga e alguns itens importados pela Domno de diversas procedências, como Argentina, Chile, Espanha, Portugal, França e Itália. O evento foi finalizado à noite, com um coquetel para os principais clientes consumidores finais.
(crédito desta foto: Paulo Sousa)

segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Izakaya Bar .3 (Ponto 3)

Demorei para conhecer o Izakaya Bar Ponto 3, mesmo ouvindo ótimas recomendações há mais de 5 anos. A primeira visita aconteceu em plena segunda-feira, com os amigos Massimo Cremonini (chef do Zafferano) e Tereza Carvalho (do perfil "Provei e Aprovei" no instagram). O pequeno espaço comandado por Seu Moritaka e sua esposa Dona Mieko é recheado de itens saborosíssimos. Antes de mais nada, é de bom tom mencionar o fato que os mesmos foram donos dos extintos e excelentes Gan e Beni Gan. O termo "Izakaya" ("I" de "sentar" e "Sakaya" de "loja de saquê") é usado no Japão para os tipos de bar que servem alimentos mais substanciais para acompanhar as bebidas. Até hoje não provei as bebidas da casa, mas a comida por si só já foi suficiente para me cativar.  
Gosta de uma sopa quente? Então comece pela Missoshiru (Sopa de Misso com Alga Marinha e Tofu). Depois, a experiência poderá ser continuada com a excelente Sugaki (Ostra Fresca de Santa Catarina com Molho Especial) ou então o exótico Katsuo no Tataki (Peixe Bonito Cru com Alho e Gengibre), que tem um tempero bem forte (alerta para aqueles que preferem algo mais suave!). Para fechar essa primeira parte, que tal uma porção de Mexilhões à Marinara? O molho é ótimo e vem com cestinha de pão para completar. 
Continuando o happy hour/jantar, você pode passar para os espetinhos (adianto que as escolhas não serão fáceis). Recomendo pedir logo de cara o Quiabo com Bacon, que foi o melhor que já provei na vida (nota 10!). A crocante Acelga com Bacon e o delicioso Brócolis disputam acirradamente o segundo lugar das robatas de lá. Se quiser continuar, peça para Antônio (funcionário gente boa!) uma rodada de Beringela, Alho, Moela e Cebola. Só de lembrar do sabor começa a bater uma fome...           
Se ainda tiver apetite, e quiser provar algo diferente, escolha o Yaki-Oniguiri (Dupla de bolinho de Arroz com recheio de Umeboshi - ameixa salgada). Se gostar de fritura e de ostras, uma escolha segura será o Kaki-Frai (Ostras de Santa Catarina à Milanesa). Ainda nas opções de entrada, já me dei bem ao pedir o "fumegante" Nirá com Fígado de Galinha e o Polvo a La Feria (Polvo, Cebola, Batata com Azeite e Páprica). 
Se você chegou até aqui achando que os pratos não matam a fome, é porque você tem alma gorda (que nem eu!). Então, pedir as Ostras Gratinadas é uma saída interessante, pois além do sabor, elas costumam ser enormes! Depois, é só continuar a aventura asiática pela "Gyôza do .3" (tempero fantástico) e pelo Tempura Especial (Camarão, Lula, Peixe, Cogumelo e Beringela). Preciso dizer que o tempura (ou tempurá) foi o mais sequinho e crocante encontrado em Salvador e tem um molho bem suave. Para arrematar o apetite dos salgados (calma que já já vem a parte dos doces!), termine com o Nihon-Soba (Massa Sarracena Fria com Tempura de Camarão), outro prato que curti muito.
As opções de sobremesas são reduzidas, mas não menos impressionantes, a começar pelo Sorvete de Creme com Calda de Gengibre. E que calda! Bem concentrada e, posso arriscar a dizer, bastante picante. Gostei da combinação. Mas a estrela mesmo é a Torta Búlgara. Simplesmente a melhor de Salvador (nem preciso dizer mais nada). Voltarei em breve para provar outras coisas, como o Yakissoba. Claro que tem certos itens de sabor exótico e forte, que não serão pedidos toda vez que retornar, mas não provei algo que considerasse ruim. Muito pelo contrário. Vários pratos foram responsáveis por arrancar grandes e sinceros elogios. Hoje me arrependo pela demora! 

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Buffalo Roasted Chicken

Em mais uma pequena aventura na cozinha, resolvi adaptar a receita de Chicken Wings e fazer uma versão mais saudável (já que não é frita em óleo), que chamei de Buffalo Roasted Chicken. Para isso, temperei sobrecoxas de frango com pimenta, alho em pó e um pouco de lemon pepper. Dei uma selada rápida numa panela wok (sem colocar azeite) e reservei num refratário que pudesse ser levado ao forno. Cobri as peças com o molho apimentado Buffalo (industrializado) e acrescentei um punhado de cebolinha antes de levar ao forno (já preaquecido) por uns 15 minutos. Para acompanhar, chips de mandioquinha feitos no forno também. Foi um prato simples e de pouco ingredientes, mas ficou delicioso.